DYSPEL a.s.b.l

Dyslexia and Special Education Needs in Luxembourg

Sobre DYSPEL

DYSPEL nasceu de um grupo de pais que tinham crianças com dislexia e com sérios problemas na escola primária, no final dos anos 80 e início dos anos 90. Eles partilhivam informações e se ajudavam de maneira informal, através dos "altos e baixos" que acompanham as crianças com dislexia no sistema educacional. Em 1994, quando a maioria destas crianças encontravam-se em escolas onde finalmente progrediam, percebeu-se que a informação e a experiência que haviam sido adquiridas, poderiam ser úteis a outras pessoas na mesma situação. Assim, Dyspel foi criada, graças à iniciativa de Christina Holstein.

Inicialmente o grupo era composto por pais que utilizavam o inglês como língua de comunicação e com crianças inscritas na Escola Européia, mas Dyspel cresceu e rapidamente incluiu outras nacionalidades em seu grupo e outros tipos de dificuldades de aprendizagem, além da dislexia, como o Déficit de atenção com Hiperatividade (ADHD), a Paralisa cerebral, a Síndrome de Asperger e o Autismo. Temos no momento a adesão de mais de 100 famílias com crianças inscritas em diferentes escolas do Grão-Ducado, de 16 nacionalidades.

Em março de 1999, Luxemburgo acolheu a Conferência Bianual da Associação Européia para Dislexia (European Dyslexia Association). Este evento de três dias, aberto pela Sra. Marie-Josée Jacobs, influenciou o aumento da sensibilização, do grande público, sobre a Dislexia, e contou com a participação de mais de 90 pessoas, incluindo um número significativo de luxemburgueses.

Desde então, Dyspel tem sido contactada por um número cada vez maior de pais de todas as nacionalidades, dentre eles, vários luxemburgueses que preocupam-se com a possibilidade de ser seus filhos serem disléxicos, mas que têm encontrado dificuldades em receber diagnósticos e uma ajuda efetiva para suas crianças. Devido ao aumento da procura de ajuda de diferentes nacionalidades, estamos tentando traduzir o maior número de informações e de outros documentos em francês, alemão, português e luxemburguês, com o intuito de fazer da Dyspel uma verdadeira associação multinacional, acessível a todos os residentes do Grão-Ducado.

Dyspel tornou-se, em janeiro de 1999, uma associação sem fins lucrativos (A.S.B.L.), e no de 2000, Sua Alteza Real A Grã-Duquesa de Luxemburgo tornou-se sua madrinha.

Dyspel é inteiramente dirigida por voluntários, sendo vários destes pais de crianças com dyslexia ou com necesdidade de cuidados especiais. Nestes sete anos, alcançamos vários objetivos mas ainda temos muito mais a fazer. No começo de um novo milênio, na Europa Ocidental, deveria ser possível se ter acesso à uma educação apropriada que possibilitasse todas as crianças a alcançar todo seu potencial; deveria ser possível uma educação que fortalecesse a confiança das crianças e as motivassem a vencer, e não uma educação que diminua a auto-estima e as façam sentir como perdedores. Dyspel está trabalhando para alcançar este objetivo.